Baratos Afins

Baratos Afins a Pioneira dos Independentes

Skip to Main Content »

Bem vindo a loja virtual da Baratos Afins!
Nossa loja esta em constante atualização. Estamos Inventariando e cadastrando todos os produtos da nossa loja. Caso não encontre o produto em nossa loja virtual entre em contato (11) 3223-3629

Your shopping cart is empty

MARCELO NOVA - GRAMPEADO EM PUBLICO 1 AO VIVO 'CD' ''BRA''

Seja o primeiro a avaliar este produto

Disponibilidade: Em estoque

R$20,00

Descrição rápida

1. "Faça a Coisa Certa" Marcelo Nova
2. "Rotina" Gustavo Mullem / Karl Hummel/ Marcelo Nova
3. "Hoje" Karl Hummel / Marcelo Nova
4. "Ainda não Está Escuro" Marcelo Nova
5. "Quando Eu Morri" Marcelo Nova
6. "Não Sou Passageiro" Marcelo Nova
7. "Bete Morreu" Marcelo Nova / Robério Santana
8. "A Ferro e Fogo" Gustavo Mullem / Karl Hummel/ Marcelo Nova
9. "A Garota da Motocicleta" Marcelo Nova
10. "Cocaína" Johnny Cash / Marcelo Nova
Banda

MARCELO NOVA - GRAMPEADO EM PUBLICO   1 AO VIVO      'CD'        ''BRA''

Duplo clique na imagem para vê-la ampliada

Reduzir
Aumentar

Mais visualizações

Detalhes

Após o último álbum da primeira formação do Camisa de Vênus, Marcelo Nova junta músicos para formar uma banda de apoio para a sua carreira solo. A primeira formação da banda Envergadura Moral conta com Gustavo Mullem nas guitarras, João Chaves (o Johnny Boy) nos teclados, Carlos Alberto Calasans no baixo, e o veterano Franklin Paolilo na bateria.[4] Após ensaios e apresentações, a banda entra em estúdio e grava o primeiro disco, Marcelo Nova e a Envergadura Moral, lançado em 1988. O álbum é composto de baladas, sendo mais intimista do que os trabalhos anteriores com o Camisa de Vênus.[4] Conta, ainda, com um cover de E Nós aqui Forrumbando, que foi renomeada para A Gente é sem Vergonha, tendo a participação de Genival Lacerda, autor da música e grande ídolo de Marcelo. Anos antes, em 1984, durante um show do Camisa de Vênus no Circo Voador, o grupo foi avisado que Raul Seixas viria para assisti-los e queria conhecê-los. O que acabou acontecendo foi uma festa com o Camisa de Vênus, mais Raul Seixas, tocando covers de clássicos do rock para quem compareceu ao show.[5][3] A partir daí, Marcelo Nova e Raul Seixas tornam-se grandes amigos. Em 1989 decidem gravar um disco juntos e saem em turnê, realizando 50 shows.[3] Mais tarde naquele ano seria lançado o segundo álbum da carreira solo de Marcelo Nova, A Panela do Diabo, que viria a ser o último álbum de Raul Seixas, lançado dois dias antes da sua morte.[6] Depois deste disco, Marcelo Nova foi tido por muitos como o sucessor de Raul Seixas,[7] título do qual ele nunca gostou e o qual sempre contestou.[8][9] No início dos anos 90, Marcelo Nova estava em turnê quando o presidente Fernando Collor confiscou as cadernetas de poupança de todo mundo e, portanto, os shows que ele tinha marcado foram cancelados.[3] Ele resolveu, então, pegar um violão e sair com mais um músico, sem nenhum instrumento elétrico, fazendo uma turnê acústica, o que trouxe a ideia de fazer um álbum inteiro com essa sonoridade.[3] Em 1991, saía o disco Blackout, primeiro disco integralmente acústico da história do rock nacional,[10][3] que marca a entrada de André Christovam, substituindo Gustavo Mullem, nos violões da banda Envergadura Moral. No próximo álbum, em 1994, Marcelo Nova pegou a sonoridade acústica e inverteu-a completamente, produzindo um disco com muita guitarra e bem pesado.[3] O álbum recebeu o nome de A Sessão sem Fim e traz o guitarrista veterano Luis Sérgio Carlini, que ganhou fama como guitarrista da banda de Rita Lee nos anos 70, o Tutti Frutti. Após a volta do Camisa de Vênus, em 1998, Marcelo Nova tem uma ideia de gravar um disco só com releituras de músicas de sua carreira, experimentando novos arranjos. A ideia surgiu quando ele viu uma ultra-sonografia de um feto e ocorreu-lhe que ele pulsava num ritmo exato, não tinha futuro, nem passado, era um ponto de luz.[11] Assim, gravou o disco Eu Vi o Futuro, Baby. Ele É Passado com apenas um músico (o multi-instrumentista Johnny Boy) que, com a exceção do próprio Marcelo Nova em uma das faixas, tocou todos os instrumentos. Este é o último álbum de Marcelo a sair por uma grande gravadora, a extinta Abril Music. No ano seguinte, Marcelo Nova lança dois álbuns ao vivo a partir de dois shows selecionados por um fã, Luís Augusto Conde.[12] São eles o Grampeado em Público - Volume I e Grampeado em Público - Volume II que saíram pelo selo independente Baratos Afins e foram distribuídos apenas nos shows que Marcelo Nova realizou pelo país, tendo vendido cerca de 6 mil cópias.[13] Em 2001, sairia a caixa tripla Tijolo na Vidraça, na qual o artista faz um apanhado da sua carreira contando com músicas antigas remasterizadas, releituras e inéditas. Depois de um tempo excursionando pelo país, Marcelo Nova solta, em 2003, uma coletânea com grandes sucessos de sua carreira, tanto solo como com o Camisa de Vênus, chamada Em Ponto de Bala. No ano de 2005, após 13 anos compondo e criando o conceito,[14][3] sai seu último álbum de inéditas, O Galope do Tempo. O álbum possui características existencialistas, indo do nascimento à morte.[14] Atualmente, Marcelo Nova excursiona com sua banda de apoio fazendo shows pelo país afora.

Informações adicionais

Artista MARCELO NOVA
Formato da Mídia CD
Formato CODIGO 7898272632073
Gravadora BARATOS AFINS
Origem BRASIL
Nº de Faixas 10
Condição Novo
Código do produto BACD033

Tags do produto

Use espaços para separar tags. Use aspas simples (') para frases.